quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Inteligência Emocional

Olá, pessoal! Tudo bem?

Neste mês, eu e duas amigas apresentamos um seminário sobre Inteligência Emocional. Com base no livro de Daniel Goleman, dividimos a explicação dos capítulos e ministrei sobre "Quando o inteligente é Idiota", "Inteligência Emocional e Destino" e "Conhece a Ti Mesmo".

Eu confesso que não gosto de seminários que seguem padrões. Por que o seminário tem que ter cara de seminário? E, principalmente: já que você vai ter que investir tempo de pesquisa, tempo de desenvolvimento de discurso, vai ter que "botar a cara a tapa" e fazer o impossível para mostrar à platéia que o que você está falando realmente é importante, que seja para fazer alguma diferença na vida das pessoas e as façam lembrar pelo menos de uma das mensagens que você tentou transmitir durante uma hora.

Cara, como é bom poder contar com Deus PARA TUDOO!! hehehe Confesso que orei para ter inspiração para este trabalho e fazer tudo ser bem legal. E Deus foi me dando umas idéias meio doidas que, no final, fizeram muito sentido!

Então, gostaria de compartilhar com vocês um resuminho da minha apresentação! Que ela venha arrancar algumas risadas, tornar seu dia mais bacana e lembrar você da coisa mais importante que podemos ter no mundo: uma aliança com Deus! s2

Quando o Inteligente é Idiota

Quanto eu tinha uns 12 anos, assistia "O Laboratório de Dexter" (não, não é o seriado do seria-killer). O Dexter é um garoto super dotado que tem um laboratório secreto e faz diversas experiências e invenções incríveis. Quem o vê, enxerga um verdadeiro garoto prodígio, mas...

video

O fato de uma pessoa ter um alto Q.I. não significa que ela é capaz de lidar bem com suas emoções ou pressões do dia a dia. A maioria dos casos de pessoas inteligentes que tinham tudo para dar certo, mas cometeram um crime hediondo ou uma grande besteira por um motivo pequeno, acontece porque a pessoa não soube lidar com suas emoções e chegou a um grau de estresse tão grande que automaticamente o seu cérebro "se desligou". A pessoa ficou privada de suas capacidades intelectuais.

Exatamente por isso, o grau de inteligência acadêmica de uma pessoa não é o fator determinante de sucesso e realização pessoal e profissional.


Inteligência Emocional e Destino

A melhor pessoa que encontrei para usar como estudo de caso foi José (Gênesis 37). José era o filho preferido de Jacó e seus irmãos tinham muita inveja dele e o odiavam, pois ele era um menino sonhador (e os sonhos dele eram os sonhos de Deus).



Num belo dia, os irmãos dele estavam trabalhando fora de casa e Jacó pediu para José ver se eles estavam bem. Quando José encontrou seus irmãos, eles o jogaram dentro de um poço. José não tinha asinhas... ele teve que cair.

Enquanto decidiam se o matariam ou não, um grupo de mercadores passou próximo a eles e os irmãos o venderam como escravo. José era um menino, ele não tinha como lutar contra outros 15 homens.


Os irmão de José pegaram sua roupa e a rasgaram e sujaram com o sangue de um animal, e disseram a Jacó que o menino havia sido morto por um animal selvagem. Jacó não duvidou de seus filhos e não foi investigar se a história era verdadeira ou não, logo... José ficou para trás, abandonado e sozinho.


José foi vendido como escravo no Egito, para um homem chamado Potifá. Bem.. agora que José era escravo, ele não tinha outra opção a não ser trabalhar. Não adiantaria ficar revoltado e tentar explicar que seus irmãos fizeram uma baita sacanagem com ele. Ele continuou crendo que tudo daria certo, pois Deus estava com ele e foi por isso que José deu o seu melhor em tudo o que fez ao longo dos anos. E Potifá o honrou, pois viu que era um empregado excelente e confiava muito nele. Mas um belo dia...


A esposa de Potifá quis que ele se deitasse com ela, e José recusou, pois temia a Deus e não poderia trair a confiança de seu chefe. Como vingança, a mulher o acusou de tentar violentá-la. Era a palavra da esposa de Potifá contra a palavra de um escravo. José não havia feito nada, mas teve que ser preso.

E agora? Como que se faz para sair da prisão? Não, pessoal, não pensem nisso! Rebelião e tentativa de fuga geralmente dão erado, hehe. Na prisão, José continuou tendo um comportamento irrepreensível, de forma que José ajudava o carcereiro em suas atividades.

Num outro belo dia, o Faraó manda para a prisão o padeiro e o copeiro que o serviam. Foi descoberto que um deles tinha planos contra o Faraó, mas não se sabia qual deles. Na prisão, os dois tiveram sonhos e acabaram conversando com José.


José buscou em Deus a revelação dos sonhos que eles tiveram: o padeiro era o culpado e seria morto. O copeiro seria inocentado e voltaria a trabalhar para Faraó. E foi exatamente assim que aconteceu.

Antes de sair da prisão, José pediu para o copeiro que não se esquecesse dele e que falasse dele para o Faraó. O copeiro, na empolgação, falou que nunca se esqueceria José, mas foi a primeira coisa que fez quando saiu de lá. Infelizmente, o copeiro não tinha Facebook nem Twitter para José adicioná-lo e manter contato. José precisou ficar mais um tempo na prisão, esquecido.

[E, como neste blog, tudo é belo...] Em um dia ainda mais belo, depois de dois anos, Faraó teve um sonho que nenhum mago ou sábio pôde interpretar. Neste momento, o copeiro se lembrou de José e falou dele para o Faraó, que ordenou que o buscassem imediatamente.

José não se desesperou. Tomou um banho, fez a barba, trocou de roupa, buscou a Deus e, além de ter a revelação do sonho e de seu significado, teve também o plano de ação necessário para que o Egito enfrentasse um grande período de seca e fome.

Resultado:

José foi colocado como Governador do Egito. Houve sete anos de muita prosperidade, seguidos de sete anos de muita fome. Como o Egito guardou mantimentos e cereais para este período, era o único lugar que tinha alimento e as nações vizinhas iam até lá comprar comida. E José administrava a venda de tudo isso.

Adivinhem quem chegou lá para comprar mantimentos? É, pessoal! "O feitiço virou contra o feiticeiro"! Os irmãos de José vieram comprar comida no Egito e não reconheceram o irmão, mas José os reconheceu!! Ai ai ai !!! E agora?


Depois de sofrer tudo o que sofreu, de passar por tanta injustiça, inveja, calúnia, difamação, etc... o que você faria com os causadores de tudo isso? (Lembrando que haviam se passado mais de 20 anos até José chegar onde chegou)


José poderia torturá-los até a morte, mas ele teve sabedoria para entender aquele momento, e reconheceu que Deus permitiu tudo aquilo para que ele pudesse chegar onde chegou e que essa era a oportunidade de restaurar sua família também. Ele se revelou aos seus irmãos e mandou que buscassem seu pai. Quando a notícia chegou até Faraó, ele presenteou José com a terra de Gózen (a melhor terra do Egito), para que sua família morasse lá.

Tudo isso para dizer que José tinha capacidade de se auto-motivar para persistir em seus objetivos, controlando suas emoções e sabendo agir da maneira certa, na hora certa. Ele soube lidar com frustrações, não deixou de acreditar em seus sonhos, soube entender o que levou as pessoas a agirem daquela forma e nunca abandonou sua fé e seus valores. E foi por isso que chegou onde chegou! (uhu!)

Voltarei a falar sobre Inteligência Emocional no próximo post!

Que Deus abençoe a todos! Um super abraço!