domingo, 1 de março de 2015

O poder de decisão de Daniel

(Texto base: Daniel 1:1-20)

Apesar de grande, a Bíblia é livro bastante enxuto. E, quando vamos ler alguma coisa nela escrita, precisamos orar e pedir para que Deus fale conosco. Porque se lermos como a um livro qualquer, de fato, não fará muito sentido.

O livro de Daniel é um desses livros curtos, mas cheio de coisas que exigem uma mente atenta para entender todo o contexto.

Quando Jerusalém foi invadida, e Daniel e seus amigos foram levados como prisioneiros, eles tinham a idade entre 14 e 16 anos.

Para os curiosos de plantão, a Babilônia era um país completamente diferente do que eles estavam acostumados. A cultura daquele país era completamente diferente, desde a religião e ao modo de se vestir, até a forma de governo e alimentação. Nada se parecia com o que eles haviam conhecido até então.

Porém, Daniel sabia quem ele era aos olhos de Deus (1 Pedro 2:9) e, por isso, decidiu firmemente não se contaminar, ou seja, não abandonar aquilo que mais tinha valor para ele - sua amizade com Deus.

O rei da época (Nabucodonosor) queria moldar aqueles jovens de acordo com o que julgava importante. Além de ser puros, sem defeito físico, tinham que estudar, vestir e comer o que o rei determinava - até seus próprios nomes foram mudados.

E eu acho muito curioso quando comparamos essa situação de Daniel com a de muitas pessoas hoje em dia. Porque a sociedade ou o meio em que vivem e frequentam exigem as mesmas coisas.

Muitos só são aceitos se tiverem uma boa aparência (e vestem-se sem pudor e vulgarmente na tentativa de se aceitarem), se fizerem o que o grupo de amigos faz, mudando muitas  vezes sua própria identidade, sua forma de agir, desrespeitando seu próprio corpo, fazendo dietas descabidas (que vão desde 'greves de fome' até o uso abusivo de suplementos), tendo relações sexuais com várias pessoas só para ser popular, usando drogas, cigarros, bebida... tudo para preencher um vazio, tudo para ser aceito e "amado" por alguém - que, no final, não se importa com nada nem ninguém.

E, como Daniel, não podemos abrir mão daquilo que Deus preparou para nós (1 Corintios 2:9)!

Por não se contaminar com o que lhe ofereceram, Daniel não deixou de ser quem era e nem se influenciou pelo que os outros pensavam dele. Ele continuou sendo amigo de Deus e O buscava três vezes ao dia e, mesmo correndo risco de vida, nunca deixou suas convicções de lado.

Ele estudou e ampliou seus conhecimentos não para se orgulhar, mas para ter a mente aberta sem nunca deixar ser enganado por ninguém. Mais do que cuidar da aparência, Daniel cuidava de seu espírito e de seu caráter, e nunca deixou de ser íntegro.

A decisão de Daniel teve um desdobramento incrível e Deus o honrou por isso, de forma que ele, um simples escravo, passou a ser a terceira pessoa mais importante de todo o Império Babilônico! Leis foram criadas e mudadas por causa de Daniel!

E se basearmos nossas decisões como Daniel? Aonde será que Deus vai nos levar...?
Romanos 12:2

Tenham uma ótima semana!
:-)

Nenhum comentário:

Postar um comentário